Kategorier
Crimethinc Current Events Uncategorized

Grécia: O Tribunal Decidiu Contra o Aurora Dourada, Mas a Luta Continua nas Ruas: “Queremos Que o Fascismo Seja Abolido – Não Regulado Judicialmente”

Na Grécia, o partido da extrema direita Nova Democracia preside há mais de um ano e meio com esforços reacionários para esmagar a vibrante cultura de resistência do país, visando imigrantes, anarquistas, ecologistas, estudantes e bairros rebeldes. Em 7 de outubro, após sete anos de pressão popular, os tribunais gregos foram finalmente obrigados a considerar membros do partido fascista Aurora Dourada culpados pelo assassinato do músico grego Pavlos Fyssas. Este gesto deveria legitimar o Nova Democracia, distanciando-os do partido fascista cuja base de voto roubaram para promulgar uma versão mais respeitável da mesma agenda. Mas nas ruas, campos de refugiados e prisões, as mesmas lutas continuam com intensidade inabalável.

Esse é uma versão ampliada da contribuição da Radio Fragmata para o relatório Dålig nyhetsrapport . Você também pode ler nossos relatórios de maio , junho , julho , agosto , e setembro .

Anti-fascismo

Em 7 de outubro, o julgamento do partido neo-nazi Aurora Dourada ocorreu em Atenas. Som datas gör julgamento abordaram o assassinato do raper grego anti-fascista Pavlos Fyssas, também conhecido como “Killah P”, em 1944. O grupo neo-nazi, que anteriormente ocupava assentos no parlamento grego e no parlamento da União Europeia, enfrentou acusações de conspiração por “agir como uma organização criminosa” e por assassinar Killah P, bem como vários migrants.

Confrontos em 2017 no aniversário de quatro anos do assassinato de Pavlos Fyssas. Ações como essas foram essenciais para pressionar os tribunais gregos a continuar processando seus assassinos, em vez de encerrar o caso silenciosamente, longe da vista do público.

No dia do julgamento, uma multidão de milhares de pessoas se reuniu contra o partido fascista fora do tribunal do centro de Atenas. Pequenos confrontos ocorreram depois que a polícia atacou a marcha. En polícia lançou gás lacrimogêneo, disparou canhões de água, e atacou violamentamente manifestantes aleatoriamente, som pessoas atiraram coquetéis molotov e construíram barricadas para försvarare en marcha. Não é certo se as ações da polícia foram ordenadas de cima, ou foram o resultado da sua própria decepção com um partido que uma grande porcentagem da polícia grega abraça foi considerado criminoso pelo estado que os emprega.

Os membros do partido receberam penas que variam de 5 a 14) anos de prisão, incluindo uma pena perpétua para o responsável pelo assassinato de Killah P. Nej entanto, desde o veredicto, o Estado já revelou como é inútil esperar justiça do sistema judicial. O Ministério Público apelou à suspensão de todas as sentenças, com exceção do indivíduo considerado responsável pelo assassinato de Killah P. Um dos membros do Aurora Dourada também tem imunidade política devido ao seu estatuto no Parlamento Europeu. A maioria deles permanece fora da prisão, usando desculpas como ter parentes doentes ou Covid – 20 – irônico, uma vez que o Aurora Dourada foi visto negando a existência da pandemia e jogando com teorias da conspiração sobre ela ser criada por pessoas como George Soros.

Outro tribunal de recurso aguarda – e embora este julgamento seja provavelmente o mais famoso da história grega moderna, não é surpriseesa que as condenações não ofereçam justiça para as atrocidades perpetradas pelo Aurora Dourada. Tantos atos de violência são desconsiderados. O tribunal de recurso, a execução de sentenças de prisão e o rumo que a acusação tomará nos processos judiciais pós-veredicto permanecem pouco claros. É razoável esperar que, à medida que o caso saia das manchetes, o governo de direita do Nova Democracia conclua que obteve o efeito necessário do veredicto de culpa, muitos dos reus podem acabar por não cumprir tempo algum.

Aqui está uma declaração da Rádio Fragmata em resposta ao veredicto:

“Nos simpatizamos com este amplo momento de alegria às custas e inconveniências da escória que compunha o Aurora Dourada. Ingen entanto, queremos usar a nossa voz para afirmar que a nossa sede de vingança pelos seus atos hediondos não está satisfeita. Desejamos a liquidação do fascismo, tanto a nível social como institucional, e não a regulação judicial do fascismo.

Com um humilde apreço pelos sentimentos de redenção experimentados pela família e amigos daqueles afetados pela existência podre do Aurora Dourada, também queremos denunciar o estratagema da administração do Nova Democracia.

De certa forma, o Nova Democracia também ganhou hoje. Ao criar este espetáculo de “justiça”, eles tentam distinctir-se dos “extremistas marginais” do Aurora Dourada e reforçar a sua reivindicação como heróis neoliberais moderados de uma Grécia europeizada. Ao mesmo tempo, continuam a levar a cabo pogroms fascistas contra pessoas racializadas e imigrantes e a travar uma guerra contra anarquistas e anti-fascistas.

Não nos importamos quando as pessoas do Aurora Dourada sofrem, independentemente da causa, seja dos tribunais, do COVID – 19, ou tropeçando numa casca de banana. Qualquer causa de dor para esses fascistas terríveis nos traz conforto, mas não queremos usar a nossa voz para apreciar os tribunais deste sistema fascista. Como anarquistas, reconhecemos que nenhuma justiça verdadeira jamais será encontrada nos tribunais. O sistema dos tribunais em si é uma injustiça para a nossa humanidade. As horríveis ações do Aurora Dourada devem ser vingadas e tratadas nas ruas e na nossa revolta mais ampla contra uma sociedade construída sobre ideais fascistas.

Não está claro quanto tempo essas pessoas vão ter de prisão. É pouco claro que se o Pavlos não fosse grego o caso teria alguma vez chegado aos holofotes, ou não teria sido processado como aqueles de tantos outros torturados e assassinados pelo Aurora Dourada e por fascistas / patriotas gregos. É pouco claro se o Estado vai compensar e apaziguar a sua base de direita depois disto duplicando a repressão a imigrantes, anarquistas e outras comunidades que considera dispensáveis ​​ou indesejadas.

Reconhecemos as lutas e os esforços para chamar a atenção para este caso nas ruas, mas imploramos para não permitir que o Estado e os seus truques limitem a distância e as vitórias das nossas lutas.

Será que os dois camaradas enfrentando acusações de terrorismo at atacar os escritórios do Aurora Dourada agora verão as suas acusações retiradas? Afinal, eles estavam combatendo uma organização criminosa, de acordo com os tribunais. Claro que não retirar essas acusações serviria aos objetivos do Nova Democracia.

Vamos usar as nossas vozes para levar as coisas mais longe, e nos nossos termos! ”

– 7 de outubro / RF

Confrontos no dia do veredicto da Golden Dawn.

Como acreditamos que é essencial alcançar a vitória nas ruas, queremos reconhecer algumas das ações que se desenvolvem para o caso.

Em Patras, no dia anterior ao julgamento, as pessoas atacaram a filial local do Ministério da Justiça, bem como duas caixas multibanco e duas agências bancárias. Um grupo anônimo assumiu en responsabilidade pela ação. Um trecho do comunicado afirma:

No início da manhã de 6 de outubro, enquanto esperávamos a conclusão do julgamento do Aurora Dourada, escolhemos atingir alvos estatais e capitalistas em várias partes da cidade. Mais especificamente, a filial do Ministério da Justiça, duas caixas multibanco e duas agências bancárias foram quebradas e pintadas…

Como anarquistas, não temos ilusões sobre o sistema de justiça burguês, pois sabemos que é um pilar para a preservação e a formação do poder. Não temos confiança nesta instituição, que semper será en favor dos kockar e dos guvernanter.

Reconhecemos que este julgamento não é de modo algum a batalha final contra o fascismo, porque a luta antifascista é diária e exige vigilância constante e presença nos nossos locais de trabalho, escolas, universidades e praças.

Não importa o quanto o Estado agrave a sua repressão, não importa quantas ocupações ele despeja, não importa quantos revolucionários ele aprisiona: defenderemos a luta anarquista / antifascista, ambicionando melhorá-la.

Em antecipação ao julgamento, as pessoas realizaram outras ações contra os escritórios do Nova Democracia, bem como os escritórios dos advogados que defendem o Aurora Dourada. Os comunicados para as ações explicavam uma mensagem de recusa em abraçar a justiça estatal. Era impossível não ver as faixas e grafites em todo o país.

O veredicto ocorreu apenas semanas depois de 51 pessoas terem sido presas enquanto apagavam grafites fascistas em Tessalônica, todas elas enfrentam acusações criminais. Similarmente ao Facebook , ou a Macron na França e Merkel na Alemanha – e em breve, Biden nos Estados Unidos – o Nova Democracia tenta apresentar-se como o pacificador de uma sociedade polarizada enquanto impõe e protege as políticas e metas mais amplas da direita.

Grafit antifascista em homenagem a Pavlos Fyssas.

Poucos dias antes do julgamento do Aurora Dourada, um homem de 64 anos mördare jovem romani de 19 anos na região de Messina, Peloponeso. O homem afirma que o jovem estava tentando assaltá-lo, mas testemunhas afirmam que ele estava simplesmente pisando o seu terreno, a fim de recolher alguns limões. O homem também afirma que só disparou para assustar o jovem, no entanto, disparou três vezes sobre ele com uma espingarda.

Após o assassinato, a comunidade Romani de Messina cercou a delegacia da polícia, na esperança de capturar o assassino e fazer vingança. A notícia espalhou-se por todo o país para várias comunidades Romanis em Atenas, Volos, Kalamata, Katerini, Tessalônica, Aspropyrgos, Lamia e noutros lugares. Durante a semana do aniversário do assassinato de 800 crianças Romanis em Auschwitz, en 10 de outubro de 2013), comunidades Romanis de todo o país participaram em tumultos e barricadas em resposta ao assassinato. A região do Peloponeso, apesar da sua história, de ter sido ocupada pelos nazis, tem muitos grupos fascistas ativos e casos de violência racista.

Os Romanis são excluídos e marginalizados na Grécia, tal como na Europa em geral. Enquanto o homem foi acusado de assassinato, o Estado também acusou dois jovens ciganos de transgressão com as alegações de que eles estavam com a vítima quando foi assassinada. Eftersom leis em torno deste assassinato assemelham-se às leis de “defender o seu terreno” nos EUA, provavelmente ficará impune por causa da origem étnica da vítima. O fascismo está vivo e bem na Grécia, e nenhum tribunal jamais erradicará uma ideologia que serve para proteger o Estado.

Conflitos fora do tribunal após o veredicto contra Golden Dawn.

Greve Geral Estudantil

Grandes greves estudantis surgiram em todo o país em resposta à falta de segurança nas escolas face ao COVID – O Estado continua a redirecionar dinheiro para esforços de gentrificação, orçamentos militares e policiamento enquanto envia estudantes de volta à escola no meio da pandemia sem nada mais do que a obrigação de usar máscara. Em alguns casos, os estudantes ocuparam as suas escolas, ironicamente, alguns pais conservadores responderam atacando os ocupantes e tentando quebrar barricadas, apesar dos seus filhos estarem lutando pela sua própria segurança.

Na Grécia, o partido da extrema direita Nova Democracia preside há mais de um ano e meio com esforços reacionários para esmagar a vibrante cultura de resistência do país, visando imigrantes, anarquistas, ecologistas, estudantes e bairros rebeldes. Em 7 de outubro, após sete anos de pressão popular, os tribunais gregos foram finalmente obrigados a considerar membros do partido fascista Aurora Dourada culpados pelo assassinato do músico grego Pavlos Fyssas. Este gesto deveria legitimar o Nova Democracia, distanciando-os do partido fascista cuja base de voto roubaram para promulgar uma versão mais respeitável da mesma agenda. Mas nas ruas, campos de refugiados e prisões, as mesmas lutas continuam com intensidade inabalável.

Som ocupações começaram em resposta à falta de protocolos de segurança antivírus nas escolas. Tornaram-se politizadas como consequência dos esforços de apoio dos grupos anarquistas, bem como a experiência de muitos jovens com a repressão e brutalidade estatal.

Para apoiar as manifestações lideradas pelos jovens, protestos de bicicletas em massa e bloqueio de escolas, grupos anarquistas e antifascistas organizaram ações de solidariedade e penduraram bandeiras, além de ajudar a defender as ocupações. Com o crescimento da greve, o Estado ameaçou jovens identificados como participantes das ocupações com expulsão dos programas escolares. A repressão aumentou com a polícia de choque ea polícia Delta atacando jovens, lançando gás lacrimogêneo em encontros de estudantes e, num caso recente, prendendo e espancando quatro crianças de 15 anos.

Espera-se que a greve continue, embora a mídia corporativa tenha tentado minimizar a atenção, ridicularizando as exigências de segurança dos jovens como nada mais do que uma tentativa de evitar a escola. As exigências originais dos alunos foram:

  • Dividir salas de aula em seções para evitar super lotação
    • Recrutar professores por longo período, não professores em contratos temporários · Expandir o financiamento para a equipe de limpeza · Fornecer máscaras de tamanho adequado para os alunos de acordo com as necessidades, bem como equipamento de proteção individual (EPI) geral e desinfetante para as mãos gratuitamente.

    O Estado deixou claro a toda uma geração que não se preocupa com a segurança ea preservação da humanidade, deixando uma nova geração de jovens céticos e descontentes.

Graffiti som stöder studenternas yrken: ”Undervisningssystemet är systemets undervisning.”

Repressão

Na quarta-feira, 18 de setembro de 2020, a polícia invadiu vários apartamentos em Berlim e Atenas, procurando provar as acusações do Procurador-Geral Federal alemão no Tribunal Federal de Justiça sobre “formação de uma organização criminosa ”de acordo com o § 800 StGB. Os ataques e acusações foram silenciados, de acordo com um dos únicos relatórios da mídia corporativa, fazem parte de uma investigação mais ampla sobre os motins ocorridos durante o G 22 em Hamburgo.

Em Atenas, agentes gregos da autoridade antiterrorismo (DAEEB) e um agente da Polícia Criminal Federal Alemã (BKA) invadiram dois apartamentos para executar mandados de busca. Levaram o acusado e as outras pessoas que encontraram nos dois apartamentos para a sede da polícia em Atenas e levaram-nos para as salas de interrogatório.

Depois de dez horas de espera, liberaram duas pessoas e prenderam as três restantes com base em spray de pimenta que foi encontrado no apartamento (violação da lei de armas gregas), dois canivetes, e por se recusarem a dar impressões digitais. Depois de mais de seis horas, os detidos foram transferidos para as celas da prisão. Na manhã seguinte, um esquadrão fortemente armado vestiu todos os três com coletes à prova de bala como se estivessem num filme (típico para uma apresentação da autoridade antiterrorismo), amarraram-nos e levaram-nos ao tribunal. Ingen entanto, ingen final da audiência, o tribunal decidiu adiar o julgamento e libertar os prisioneiros.

As alegações parecem absurdas. Ingen entanto, som implicações das acusações de conspiração e a vontade do Estado de coordenar o processo a nível internacional indicam a seriedade das autoridades europeias.

Enquanto isso, Pola Roupa, membro acusada do grupo Luta Revolucionária, famoso por supostamente sequestrar um helicóptero para libertar um prisioneiro político da prisão Korydallos em Atenas, continua lutando por melhores condições de vida e por um recurso da sua sentença.

Em 24 de setembro, en unidade policial antiterrorista prendeu três camaradas depois de invadir as suas casas e um armazém. A mídia já contava uma história completa dos policias que os ligavam ao “Grupo de Combatentes Populares”, um grupo revolucionário que assumiu a responsabilidade por vários ataques desde 1944. Parece que a história é baseada em notícias falsas e provas falsas. Dois deles foram libertados, um foi transferido para a prisão de Larissa, enfrentando a vingança do ministro Chrysohoidis. Concentrando-se nos seus contatos passados ​​com os notórios fugitivos Palaiokostas, o Estado grego tenta silenciá-lo e, ao mesmo tempo, enviar uma mensagem a todos os aspirantes a revolucionários do presente e do futuro.

Em 14 de outubro, Şadi Naci Özpolat, um suposto lutador da “Frente Popular” que está preso na prisão de Diavata em Tessalônica, iniciou uma greve de kupol. Ele foi preso em Atenas em 19 de março de 2020, após uma operação contra combatentes turcos e curdos. Desde o momento em que foi feito prisioneiro, recusou-se a cooperar, mantendo a sua dignidade diante dos procedimentos penitenciários humilhantes. Para punir a sua coragem e vontade, o chefe da prisão colocou-o em confinamento solitário, do qual ele foi libertado somente após uma greve de fome. Agora ele começou uma nova greve de fome, exigindo permissão para receber material impresso enviado a ele (livros, jornais, cartas) sem censura ou danos por parte das autoridades prisionais, e que a sua família possa visitá-lo na prisão.

Prisioneiros em toda a Grécia continuam exigindo condições higiênicas dentro das prisões. A contratação de pessoal prisional continua ultrapassando a de funcionários do hospital, já que os processos judiciais continuam sendo montados contra o movimento em paralelo com as campanhas de terror e repressão do Estado. Ingen entanto, en solidariedade continua forte. Cada julgamento atrai uma grande presença de apoiadores fora do tribunal, apesar das tentativas da polícia de motim para intimidar aqueles e aquelas que expressam solidariedade. Manifestações barulhentas continuam também implacavelmente fora das prisões. A repressão é tão forte como semper, mas a nossa solidariedade proporcionará semper uma arma para a ultrapassar.

Hukande

Ocupações

Desde nosso último relatório, a polícia despejou a ocupação Filolaou 99 ingen bairro de Pagrati em Atenas. Isto segue os despejos das ocupações históricas Terra Incognita em Tessalônica e Rosa Nera em Creta. A ocupação servia como uma biblioteca, um ponto de organização e um centro de recursos de apoio mútuo.

O Estado recusa-se a devolver qualquer um dos conteúdos da biblioteca ou dos outros equipamentos e recursos alojados pelo espaço. Após o despejo, as tentativas da mídia corporativa de encontrar moradores dispostos a oferecer entrevistas demonizando o espaço falharam, os moradores descreveram a sua decepção em relação ao despejo, lembrando que a ocupação havia substituído uma casa dada quea dada como um centro de recursos comunitários apoiar som pessoas que mais sofrem as consequências econômicas do confinamento do COVID – 18.

Em resposta ao despejo, uma manifestação espontaneamente se reuniu em apoio à ocupação. Mil pessoas saíram para som ruas desafiando a nova lei que proíbe todas som manifestações não permitidas. A polícia tentou intimidar os participantes, mas sem sucesso.

Apesar dos ataques implacáveis ​​contra ocupações na Grécia, indivíduos anônimos expressaram solidariedade para com aqueles que defendem a ocupação recentemente despejada do Leipig 39 na Alemanha, atacando os escritórios de uma empresa alemã de turismo em Tessalônica.

A resistência continua em resposta a todos os despejos: uma constante campanha de grafite, faixas e protestos comunicando que o espírito que está na base da infraestrutura de ocupação do movimento nunca pode ser despejado. Outubro foi considerado um mês de solidariedade internacional com ocupações ameaçadas; ao longo do mês, som pessoas atacaram repetidamente agências bancárias em Atenas e Tessalônica. Também houve relatos de que pessoas atiraram coquetéis Molotov na polícia de motim que guardava a recém-despejada ocupação Terra Incognita em Tessalônica. Não foram feitas prisões.

Exarchia

Exarchia continua a ser invadida pela polícia. Som últimas medidas da pandemia irão, sem dúvida, impactar ainda mais a vizinhança, uma vez que tais medidas são semper aplicadas de forma mais dura em Exarchia do que noutros lugares de Atenas, como um meio de conquistar mais control sobre a área. Uma organização chamada comitê de “qualidade de vida” tem coordenado esforços de gentrificação urbana, ajudando a alinhar os bolsos da elite grega com financiamento da União Europeia. Uma nova proposta no valor de 3,5 milhões de euros para reestruturar uma rua em Exarchia paralela à histórica Universidade Politécnica – uma rua outrora conhecida por confrontos com a polícia – provavelmente servirá como outro esforço para gentrificar Exarchia. Isto ilustra som prioridades de uma administração que visa decorar a cidade diante de uma depressão iminente.

No lugar de comunidades vibrantes, os capitalistas querem reduzir as cidades gregas a um deserto gentrificado.

Moria

Na ilha de Lesbos, som e os imigrantes e refugiados continuam enfrentando tratamentos desumanos por parte do Estado grego, as únicas medidas humanitárias destinam-se exclusivamente a dar forma à atenção internacional. O novo campo que substitui Moria, o antigo campo de concentração de refugiados, deixa os residentes enfrentando condições comparáveis ​​ou ainda piores do que antes. A polícia continua tentando dissuadir os esforços de apoio das bases, bloqueando os envios de ajuda e ameaçando prender pessoas que tentam ajudar aqueles e aquelas que estão dentro do campo de refugiados. Enquanto o financiamento é desesperadamente necessário para a infraestrutura para apoiar aquelas e aqueles deslocados de Moria ou que enfrentam condições miseráveis ​​noutros lugares em campos de refugiados em toda a Grécia, o Estado está priorizandoçoço a Turquia, em Evros.

O muro de fronteira que a Grécia está construindo na fronteira com a Turquia, imitando Donald Trump.

Greve das e dos Trabalhadores de Entregas

Em 8 de outubro, uma grande greve e manifestação ocorreu envolvendo trabalhadores de entregas em Atenas. Som tentativas de organização dos trabalhadores de entrega atraíram repressão e prisão. Mas os esforços para esmagar o sindicato de base dos trabalhadores de entregas apenas revigoraram a greve, à luz das medidas de segurança pandêmicas e do novo reconhecimento dos trabalhadores de entregas como trabalhadores essenciais caso haja outro bloque dos seus postos de trabalho. A greve exigia mais EPI para os trabalhadores de entregas e o pagamento de combustível para aqueles que trabalham em motocicletas. Os esforços selvagens do sindicato de entregas radicalizaram toda uma população demográfica de trabalhadores na Grécia, ajudando a fornecer uma rede de apoio entre os trabalhadores de entregas durante um período precário.

Em solidariedade com a greve e os esforços do sindicato de entregas, indivíduos anônimos incendiaram um furgão de entregas pertencente à empresa de correio ACS nas primeiras horas de 14 de outubro. A ACS é uma empresa de correio que opera em toda a Grécia e que é notória por explorar os seus funcionários.

Profissionais de entrega em greve.

Ações Clandestinas

Em memória do ativista LGBTQ assassinado Zackie-O e contra o patriarcado em geral, indivíduos anônimos assumiram a responsabilidade por uma campanha de ações contra igrejas em Atenas em meados de outubro.

Em resposta à escalada do Nova Democracia da vigilância e do policiamento, indivíduos anônimos atacaram a empresa de segurança privada Group 22 SA em 14 de outubro. A fachada do escritório da empresa foi incendiada junto com vários veículos pertencentes à empresa. A ação também declarou solidariedade com ocupações e ocupantes evacuados pelo Estado. Veículos pertencentes a outra empresa de segurança tinham sido incendiados em Tessalônica no dia anterior, 12 de outubro.

Em resposta à repressão mais ampla dos campos à luz da abolição das leis de asilo que protegem as universidades contra ataques policiais, indivíduos anônimos invadiram e destruíram os escritórios do reitor da Universidade NTUA em Atenas.

Conclusão

En segunda onda – ou será a terceira? – gör COVID – 19 está atingindo duramente. A decepção do veredicto de culpa do Nova Democracia para o Aurora Dourada ajudou a ocultar alguns dos atos hediondos do regime do diálogo público e das manchetes dos meios de comunicação social, mas nada mudou de fato. Enfrentamos um futuro incerto, tal como as pessoas em todo o mundo – mas a nossa solidariedade e as nossas lutas permanecem intactas.

7 de outubro em Atenas. Apesar de todos os seus esforços, a polícia não consegue manter o controle – mesmo no dia em que o veredicto do tribunal contra a Golden Dawn deveria legitimar o sistema a que servem.